Dan Millman encerra o CONGREGARH 2011

Dan Millman comanda a palestra de encerramento do CONGREGARH 2011 / Crédito: Marco Nunes

Auditório lotado para ver e ouvir Dan Millman, ginasta e autor de 13 livros inspiradores. O mais conhecido é “O Caminho do Guerreiro Pacífico”, que relata sua trajetória de vida, o sucesso conquistado na carreira de atleta internacional e a posterior busca por novos desafios. Teve tempo até para uma demonstração da elasticidade e boa forma do palestrante. Percebe nesta foto?

Dan Millman demonstra que é mesmo um ginasta no palco do CONGREGARH 2011 / Crédito: Marco Nunes

Millman falou aos participantes sobre sua preocupação com a busca incessante da satisfação profissional em um mundo cada vez mais competitivo. Para ele, esta não deveria ser uma obsessão, já que nem sempre é possível conciliar a carreira com a vocação. “Você pode ter uma carreira que lhe garanta estabilidade para buscar satisfação pessoal de outra forma. Por vezes buscamos a realização no lugar errado. Poucas coisas nos dão tanto prazer quanto fazer algo de bom para outra pessoa”, afirmou.

Sobre o estresse do cotidiano, Millman declarou que um  grande erro das pessoas, atualmente, é acumular obrigações e tentar resolver todos os problemas – pessoais e profissionais – ao mesmo tempo. “As pessoas se incomodam muito no cotidiano porque não conseguem focar em uma coisa de cada vez. E é impossível fazer mais de uma atividade ao mesmo tempo. Se parassem para respirar e focassem em um problema de cada vez, teriam muito menos estresse”, disse.

Washington Olivetto esclarece: a criatividade é fundamental para qualquer profissional

Washington Olivetto no CONGREGARH 2011 / Crédito: Marco Nunes

Na última palestra desta quinta-feira, o publicitário Washington Olivetto salientou que a necessidade de ser criativo está presente no ambiente de trabalho, inovando para os clientes, e na vida de empresário.  “Vivi isso quando mudamos o perfil da agência e criamos a W/McCann, unindo a WBrasil e a McCann. Usei a criatividade para fazer o casamento das duas empresas”. E complementou: “Seja qual for o momento em que estamos vivendo, se não tivermos uma boa ideia, não acontece nada”.

O mais premiado profissional de Criação apresentou exemplos criativos de ações da agência que foram convertidos em mídia espontânea na imprensa e ressaltou uma importante conquista da W/McCann. “Com essa união podemos incentivar outras agências da McCann no mundo a serem mais criativas”. Além da propagação do ambiente criativo, o vínculo afetivo na empresa é fundamental. Por isso, Olivetto atua como um líder de atmosfera, motivando a equipe e a paixão pelo local onde trabalham.

O publicitário mostrou ainda as últimas campanhas desenvolvidas pela agência e resumiu como avalia as novas ideias geradas pela equipe com uma citação que utiliza até mesmo para convencer os clientes: “Se não for brilhante, não vale”, esclareceu

A potencialidade do imaginário e do lúdico

Professor Marival Chaves fala da potencialidade do imaginário e do lúdico / Crédito: Marco Nunes

Físico e educador, o professor Marival Chaves confessou que o segredo de seu trabalho é impulsionar os alunos a pensarem o conteúdo da disciplina através da imaginação. “Ensino cantando, criando jogos e contando histórias”, disse. Mais de 50 mil estudantes já aprovaram a didática que alia bom humor, imaginação, música e motivação.

Durante a palestra “O imaginário e a realidade”, Chaves também abordou a prisão cultural na qual o ser humano se condiciona. “O imaginário é que é o real, é uma força de mudança”. O palestrante propôs ao público que cada um olhe mais para si mesmo, com um olhar crítico e lute por seus ideais. “Afinal, a imaginação está do nosso lado. Ligue-se, conecte-se e libere-se “, recomendou.

O RH e o desafio de construir um novo olhar sobre a realidade

Palestrante Eugenio Mussak / Crédito: Marco Nunes

Em dois momentos, Eugenio Mussak expôs o tema “Construindo novos modelos de realidade”, voltado para uma nova perspectiva de relacionamento da área de RH nas empresas.

Mussak comentou sobre o formato da educação e concluiu a maioria dos educadores trabalha com a transferência deliberada de conhecimento. Assim, esquecem de passar aos jovens o exercício do questionamento e do pensamento contínuo. Baseado nos conceitos de intelectuais antigos, apontou ainda os principais inimigos da formação de um novo olhar sobre a realidade: a indolência, a ignorância e a arrogância.

Uma novidade durante os dois momentos da palestra foram as dinâmicas comandadas pelo  consultor organizacional Jaime Salvon, como relatado no post abaixo. Ao final, Mussak destacou que os sonhos devem ser compartilhados: “Nós temos que pensar nos sonhos da empresa e dos funcionários que a compõem.”

Dulce Magalhães inicia o CONGREGARH 2011

Dulce Magalhães na palestra de abertura do CONGREGARH 2011

Educadora e pesquisadora, Dulce Magalhães destacou a gestão do tempo durante a palestra Transformando as visões de mundo. “Se não estamos treinados para ver as respostas, elas podem estar na nossa frente e não conseguiremos ver”, ressaltou. Dulce abordou ainda a filosofia da motivação: “você pode mudar tudo na sua vida com os recursos que você já tem, basta olhar para dentro de si”. Ao final, avaliou: “A vida é um efeito ao cuidado que damos a ela”.

Elenice de Freitas, do Hospital Mãe de Deus

Quem assistiu, aprovou. “Achei maravilhosa e muito reflexiva. Impulsionadora de mudanças”, disse Elenice de Freiras, consultora de RH do Hospital Mãe de Deus.

Maria da Graça encerra o Fórum de Gestão Pública

Maria da Graça Jacques, a última palestrante do Fórum de Gestão Pública Crédito: Marco Nunes

Discutindo “Assédio Moral na Administração Pública”, Maria da Graça Corrêa Jacques, psicóloga, doutora em Educação pela UFRGS e pós-doutorada em Psicologia Social pela Universidade Aberta, em Portugal, encerrou a segunda edição do Fórum de Gestão Pública. Na abordagem, apontou o setor público como favorável ao assédio moral: “As mudanças frequentes na gestão, o discurso neo-liberal de desqualificação do servidor público, os jogos político-partidários e as lutas de poder sedimentadas em práticas de saber/poder são questões que facilitam a prática de assédio no ambiente de trabalho”.

O evento antecedeu a quinta edição do CONGREGARH. Além das palestras, quem vier ao Centro de Eventos da PUCRS poderá conferir as diversas novidades em serviços e produtos voltados ao setor de Gestão de Pessoas. Lembrando: a feira é aberta ao público.

Assédio moral não é um simples conflito

 

Professor Roberto Heloani durante a palestra no Fórum de Gestão Pública / Crédito: Marco Nunes

Com grande número de participantes, o Fórum de Gestão Pública começou hoje de manhã com a palestra do professor Roberto Heloani, sobre “Assédio Moral no Trabalho: causas e consequências”.

Heloani salientou que o assédio moral é uma atitude frequente, intencional e composta por uma sequencia de danos morais, provocando perda de autoestima, ansiedade e em alguns casos pode levar até mesmo ao suicídio. As formas desta violência psicológica podem de diversas maneiras, sendo que o descendente, ou seja, do superior ao subordinado, é o mais comum. Mas também há casos de assédios ascendentes, quando um grupo de subordinados resolve boicotar o chefe.

Outra consideração que Heloani relacionou foi o limite entre o pessoal e o profissional. Para ele, o uso das novas tecnologias, como smartphones e notebooks, permitem encontrar os profissionais em qualquer lugar. “Fica cada vez mais difícil delimitar onde acaba a empresa e começa a minha casa”, disse.

Agir de forma adequada após a constatação do assédio moral também é um desafio do mundo corporativo, que não deve ser transformado em um ambiente de guerra. O procedimento correto das organizações é investigar e não esconder para debaixo do tapete, demitindo os envolvidos. “Só uma cartilha não resolve, é preciso ir além”, concluiu.

Neste momento, acontece o painel “Ética, Saúde Mental e Aspectos Legais e Institucionais do Assédio Moral”.